Na BancadaQualidade

Automação e Controle de Qualidade em Hematologia

Os aparelhos eletrônicos hematológicos atuais possuem princípios de contagem e mensuração de múltiplos parâmetros, que permitem realizar um hemograma em menos de 60 segundos.

São capazes também de emitir alarmes da presença na blastos, granulócitos imaturos, linfócitos reativos, eritroblastos e novos parâmetros relacionados a fluorescência e reações citoquímicas.

Com isso, os laboratórios estão rapidamente se transformando em linhas de produção, e muitos são capazes de realizar 20 mil hemogramas/dia com esteiras integradas ligando vários equipamentos que transportam tubos com EDTA em sistemas fechados, confeccionando e corando lâminas automaticamente.

Todas essas análises são geradas sob supervisão humana, o que tornou estes centros de diagnósticos mais eficientes e competitivos.

No atual contexto no qual estão inseridos os laboratórios, faz-se necessários profissionais especialistas em hematologia com profundo conhecimento em morfologia, automação, critérios de revisão de lâminas, capazes de intervir no momento certo e revisar análises dos contadores hematológicos.

Controles Internos e Externos

Para garantir a qualidade deste grande quantitativo de exames faz-se necessário controles internos, fornecidos exclusivamente pelo próprio fabricante, bem como calibradores que, em conjunto, possam aumentar a exatidão, reprodutibilidade, diminuir o tempo de liberação e até auxiliar na verificação da interferência de oscilações de correntes elétricas.

Estes controles devem ser passados nos aparelhos hematológicos diariamente, em três níveis (baixo, normal e alto).

As visitas e manutenções recomendadas pelo fabricante devem ser respeitadas e o uso de reagentes paralelos (de outras marcas) podem possibilitar a liberação de resultados anormais, tanto na contagem diferencial de leucócitos em 5 partes como em outras células.

Outro controle que deve ser adotado pelos centros de diagnósticos em hematologia é o uso da amostra retida, que consiste em passar a mesma amostra devidamente homogeneizada nos períodos diferentes de funcionamento dos analisadores hematológicos.

No que concerne aos reagentes, estes devem ser consumidos antes da validade e armazenado de acordo com as recomendações do fabricante.

Como cerca de 70% das decisões clínicas são tomadas com base nos resultados laboratoriais, os exames devem ter alta confiabilidade, fato que requer extrema vigilância e esforço humano.

Você também pode se interessar por este assunto: Controle de Qualidade em Laboratório Clínico

Este controle de qualidade permuta por fases pré-analíticas, como coleta adequada do volume de sangue, homogeneização no momento da coleta do tubo com EDTA.

O acompanhamento pós-analítico deve ser capaz de detectar erros randômicos ou sistêmicos através das regras de Westgard e gráficos de Levey-Jennings.

Só assim serão detectados erros aleatórios, que devem ser corrigidos por calibrações, lavagens ou por outros meios de manutenção dos aparelhos hematológicos eletrônicos.

Dupla checagem

Periodicamente, os profissionais que realizam a revisão por microscopia devem efetuar a contagem diferencial da mesma lâmina para avaliação da série vermelha, reprodutibilidade da contagem diferencial de leucócitos e checar a distribuição de plaquetas. Estes resultados devem ter concordância de mais de 90%.

Para tanto os profissionais devem receber treinamentos, participar de encontros e congressos na área de hematologia e todos devem seguir os mesmos procedimentos operacionais padrões, incluindo as recomendações de contagens de neutrófilos bastonetes.

Sugere-se ainda que os critérios de revisão sejam claros e conhecidos por todos os profissionais.

Estes critérios devem seguir o Programa Nacional de Controle de Qualidade (PNCQ) e as recomendações do International Society for laboratory Hematology (ICLH).

O uso destes critérios deve ainda ser aliado aos programas externos de qualidade, como o Controlab e o PNCQ, garantindo por avaliação externa a qualidade das análises.

A automação é fundamental nos dias atuais, no entanto, os profissionais de laboratório especializados em hematologia devem supervisionar os procedimentos e devem ser capazes de ver o que os aparelhos hematológicos eletrônicos não veem.  

Por Luiz Arthur Calheiros Leite
Consultor em Hematologia Laboratorial – [email protected]
Especialista em Hematologia e Hemoterapia – UNIFESP/EPM.
Mestrado em Hematologia – UNIFESP/EPM.
Doutorado em Bioquímica – UFPE.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Um Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios